GTs do SINASEFE são abertos com debate sobre PL “Escola Sem Partido”

Nesta quinta-feira (15/09) foram abertos os Grupos de Trabalho (GTs) de Políticas Educacionais e Culturais e de Identidade de Gênero e Orientação Sexual, Raça, Etnia e Trabalho Infantil do SINASEFE. Os eventos, que acontecem no San Marco Hotel, em Brasília-DF, tiveram como primeira atividade a mesa intitulada “‘Escola Sem Partido’ e a ameaça ao fazer Educacional”.

Da Seção Natal, participam do evento os servidores Francisco Dias e Isaac Newton Ribeiro, representando a base, e o coordenador geral do SINASEFE Natal, Maurilio Gadelha, e a secretária do sindicato, Monique Oliveira, representando a diretoria da Seção.

gt_012site

A mesa

O debate apresentou e desconstruiu os pressupostos e o discurso base do PL “Escola Sem Partido”, que vem sendo pauta dos fóruns do SINASEFE desde novembro de 2015, quando foi discutido na 138ª PLENA.

Marcela Azeredo, servidora do Colégio Pedro II, coordenou a mesa e apresentou os palestrantes: Guilherme Almeida, professor do IFSP, Ronaldo Naziazeno, professor do IFBA, e Claudicea Durans, professora do IFMA.

Guilherme Almeida atacou o golpe de estado de Michel Temer e reconheceu que, mesmo sendo crítico dos governos petistas, houve avanços importantes até 2015. Em seu ataque ao “Escola Sem Partido”, o professor caracterizou o PL como pertencente ao governo Temer – sobretudo pela nomeação de Mendonça Filho (DEM-PE) como Ministro da Educação. Ele ainda lembrou que grupos conservadores, como o Instituto Millenium, estão por trás do “Escola Sem Partido” e são responsáveis por gerar na sociedade uma situação de insegurança à população LGBT.

Ronaldo Naziazeno, que também é secretário da Pasta de Políticas Educacionais e Culturais do SINASEFE, apresentou os aspectos pedagógicos, políticos e legais do PL “Escola Sem Partido” e atacou, principalmente, seu caráter censuratório e de inconstitucionalidade. Naziazeno colocou que a disputa do “Escola Sem Partido” é pelo modus vivendi, ao qual seus criadores querem que seja liberal, conservador e burguês, finalizando com a assertiva de que a nossa arma para combater este e outros ataques é a construção de uma greve geral da classe trabalhadora.

Já Claudicea Durans, secretária-adjunta da Pasta de Formação Política e Relações Sindicais do SINASEFE, atacou principalmente a diferenciação entre professor e educador que o texto do “Escola Sem Partido” tenta equivocadamente perfazer e a impossibilidade de neutralidade na educação, demonstrando inclusive que o próprio autor do projeto no Senado Federal, o senador Magno Malta (PR-ES), não possui a neutralidade que busca exigir dos professores.

Abertura

Os eventos foram abertos às 9h30min pela coordenadora geral do SINASEFE Cátia Farago, que saudou os presentes e conduziu a formação da mesa sobre o PL “Escola Sem Partido”.

Os GTs

Ambos os Grupos acontecerão simultaneamente hoje (15/09) e amanhã (16/09), na capital do país. Eles precedem a 144ª PLENA, que será realizada no final de semana (17 e 18/09).

Na tarde desta quinta teremos a mesa sobre “Gênero, identidade e movimentos feministas”. Na manhã de amanhã acontece a mesa “Identidade e resistência negra e indígena”. E, por fim, na tarde de sexta, os cursos “Educação e sociedade”, ministrados pelo professor Ricardo Velho (IFC).

Confira aqui as programações completas dos GTs e aqui a da Plenária Nacional.

Ao vivo

Relembre aqui a peça da cobertura ao vivo da mesa e da abertura dos GTs publicada em nossas redes sociais.

Com informações do SINASEFE Nacional

2017-08-02T03:28:08+00:00setembro 15th, 2016|GTs, Noticias|Comentários desativados em GTs do SINASEFE são abertos com debate sobre PL “Escola Sem Partido”